Home»+ Esportes»ESPANHA: A MAIOR DEPOIS DOS EUA NO BASQUETE

ESPANHA: A MAIOR DEPOIS DOS EUA NO BASQUETE

0
Shares
Pinterest Google+

O mundo do basquete tem uma nova potência consolidada. A Espanha conquistou o bicampeonato mundial de basquete masculino e mostrou que o trabalho bem feito, aliado à cultura do basquete consolidada no país, dá frutos. E muitos.

Foram oito jogos e oito vitórias, um domínio pleno das partidas e pouca disputa. Os dois adversários que fizeram maior oposição aos espanhóis foram Sérvia e Argentina, que venderam mais caro as derrotas.

A Espanha é a seleção mais constante no cenário mundial depois dos EUA. Além dos títulos mundiais de 2006 e 2019, são…

Na Copa do Mundo da China, os dois grandes nomes da Fúria foram Rick Rubio (o MVP) e Marc Gasol, com grande participação os irmãos Hernán Gomez. Mas o conjunto espanhol foi o grande destaque. Mesmo sem Serge Ibaka, Sergio Rodríguez, Nikola Mirotic e o lesionado Pau Gasol, a Espanha deu uma aula de eficiência tática e técnica.

Mas houveram outras boas histórias.

O Brasil vai da euforia a decepção

O Brasil teve dificuldades, mas se classificou para o Mundial. Chegou com desconfianças, mas conseguiu três vitórias, inclusive o emocionante triunfo sobre a favorita Grécia.

Porém uma derrota perfeitamente evitável contra a Rep. Checa, colocou o Brasil na obrigação de vencer os EUA. Mas não deu.

O vexame dos EUA

Nada parecia certo. Greg Popovich é genial, mas não dá pra fazer milagre. Um caminhão de desistência e um time totalmente meia-boca não são suficientes para vencer um mundial. O resultado foi uma derrota frente à França, ainda nas quartas, mostrando que o US Team, dessa vez, passou longe de ser um time.

Jogadores dos EUA durante jogo contra a Sérvia, pelo Mundial de basquete.
Jogadores dos EUA durante jogo contra a Sérvia, pelo Mundial de basquete. FOTO: Getty Images

A retomada Argentina

Sem a Geração de Ouro a Argentina já não seria competitiva, disseram alguns. Bom, não foi o caso. Sob comando de Gabriel Deck, Laprovittola, Campazzo e principalmente do gigantesco Scola.

Com intensidade, os argentinos despacharam Sérvia e França, que acabara de mandar pra casa os EUA. Contra a Espanha não deu. Mas a história escrita pela seleção que representa um país apaixonado pelo basquete foi linda.

Muita emoção na campanha argentina.
Muita emoção na campanha argentina. FOTO: Chen Jimin/China News Service/VCG via Getty Images

A lição espanhola

Não é só no masculino. No feminino a Espanha se mantem também entre as três maiores forças das competições que disputa com enorme frequência nas últimas décadas. Coincidência? Não.

Ricky Rubio é eleito MVP da Copa do Mundo de basquete
Ricky Rubio é eleito MVP da Copa do Mundo de basquete. FOTO: Reuteres

É um trabalho que vem desde a base, passando pela formação de treinadores e a organização de competições para todas as idades. Entre homens e mulheres.

A cultura do basquete é muito difundida no país. A liga espanhola é muito forte e lucrativa. Real e Barcelona, por exemplo, são potências reconhecidas do basquete europeu e o esporte tem público de país. E muito. Domínio a nível de clubes que reflete na seleção. E o futuro também é promissor. Pois o trabalho de base é forte e constante.

Isso fica de lição espanhola pra quem quiser fazer um trabalho que dê resultado no basquete. É possível ser grande, mesmos se você não for os EUA.

Previous post

BRASIL X EUA DE 94: O AUGE DO BASQUETE FEMININO BRASILEIRO

Next post

BRASILEIRÃO 2019 – START SPORTS AWARDS

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *