Home»Futebol Nacional»Brasileirão»BRASILEIRÃO 2018 – START SPORTS AWARDS

BRASILEIRÃO 2018 – START SPORTS AWARDS

0
Shares
Pinterest Google+

Já é tradicional como o próprio campeonato: termina o cortejo e saem as esperadas seleções do Blog Start Sports. Como desde a edição do ano passado temos podcast, os resultados são revelados lá e você pode ouvir aqui. Depois registramos tudo em verso e prosa, para que a eternidade consagre quem se destacou ao longo do campeonato nacional.

Sempre importante lembrar que são duas seleções montadas: uma considerando o número de vezes que os jogadores apareceram as seleções, rodada a rodada; e outra considerando as impressões do conselho dos notáveis editores do blog, apresentadores do podcast e afins. Vamos aos laureados:

 

SELEÇÃO POR NÚMERO DE APARIÇÕES

Éverson (Ceará): 4 aparições nas rodadas 4, 21, 22 e 23.

Segundo ano seguido que o santificado arqueiro do Galo aparece empatado com alguém no topo da contagem dos goleiros. Na edição passada foi Vanderlei (Santos), na atual, Éverson (Ceará). Nas duas oportunidades, Vítor ficou com a menção honrosa pois seus companheiros mereceram um pouquinho mais que ele o posto. No caso, a equipe considerou que pelo menos na primeira parte do campeonato, o goleiro atleticano teve uma defesa meramente confiável à sua frente, ao contrário de Éverson que sempre penou com a zagueirada. Como a máxima para o goleiro entrar nessa seleção é ter uma defesa ruim à frente, o cearense penou mais.

Marcos Rocha (Palmeiras): 4 aparições nas rodadas 4, 6, 19 e 24.

Outro empate, porém triplo. Éder Militão (São Paulo), Victor Ferraz (Santos) e Marcos Rocha (Palmeiras) apareceram quatro vezes cada mas o escolhido foi o palmeirense pois afinal de contas, comemorou o título. Militão foi vendido muito cedo e Ferraz teve “só” o período da arrancada santista, que fez um primeiro turno fraco e terminou melancolicamente a contenda.

Victor Cuesta (Internacional): 7 aparições nas rodadas 10, 11, 12, 16, 29, 32 e 37.

Victor Cuesta do Inter é símbolo da boa campanha colorada no campeonato (que surpreendeu e veio forte dessa vez) e apareceu soberbas sete vezes não apenas compondo a dupla de zaga como sagrando-se o craque do campeonato já que nenhum outro jogador alcançou a boa marca do argentino.

Arboleda (São Paulo): 5 aparições nas rodadas 7, 13, 31, 35 e 37.

Empatados em segundo vieram Dedé (Cruzeiro) e Arboleda (São Paulo). O gringo foi o escolhido pra formar a dupla de zaga importada já que o Cruzeiro deu de ombros para o campeonato. Bom também lembrar de Rodrigo Moledo (Internacional) que apareceu em quatro oportunidades na zaga e uma outra improvisado como volante.

Renê (Flamengo): 4 aparições nas rodadas 8, 24, 28 e 29.

Primeira posição de escolha totalmente isolada já que Renê (Flamengo) apareceu em quatro oportunidades, ganhando de Dodô (Santos) e Gilberto (Fluminense) com três aparições cada.

Bruno Henrique (Palmeiras ): 5 aparições nas rodadas 14, 16, 30, 36 e 38.

Escalamos só um volante porque, apesar de o campeonato não ter oferecido, gostamos é de time pra frente e bastante gol. O melhor nessa faixa de campo foi Bruno Henrique (Palmeiras) que apareceu em 5 oportunidades. Andrey (Vasco) e Cuellar (Flamengo) chegaram perto com quatro aparições cada.

Cazares (Atlético-MG): 6 apariçõesnas rodadas 5, 10, 27, 35, 36 e 38.

São três os escolhidos para esse setor crucial do campo. Todos com 6 aparições ao longo do campeonato. Cazares do Galo fechou bem o ano e surfou no bom momento do time antes da Copa do Mundo.

Paquetá (Flamengo ): 6 aparições nas rodadas 8, 16, 21, 26, 28 e 30.

Paquetá foi o destaque do Flamengo, que liderou boa parte do primeiro turno do campeonato. Perdeu brilho depois de ser vendido ao Milan-ITA e ver o cheiro invadir novamente as narinas do rubro-negro carioca. Perdeu brilho mas não a vaga.

Raphael Veiga (Atlético-PR): 6 aparições nas rodadas 13, 19, 25, 26, 28 e 33.

Raphael Veiga (Atlético-PR) foi a surpresa da posição e por isso mesmo também arrebata a revelação do campeonato. Pegou na carona na boa campanha do Furacão de Tiago Nunes.

Dudu (Palmeiras): 6 aparições nas rodadas 19, 24, 31, 32, 36 e 38.

Dudu (Palmeiras) foi um o grande destaque do campeonato e também se destacou no ataque da seleção com seis aparições, fechando o grupo dos que ficaram em segundo dentre os que mais apareceram (empatado com o trio de meias e atrás apenas de Victor Cuesta).

Ricardo Oliveira (Atlético-MG): 5 aparições nas rodadas 2, 5, 11, 18 e 37.

Logo atrás do palmeirense, três jogadores apareceram em cinco oportunidades: William Bigode (também do Palmeiras), Éverton Cebolinha (Grêmio) e Ricardo Oliveira (Galo). O Pastor atleticano foi o escolhido pois, dentre os empatados, foi o que mais balançou as redes ao longo do campeonato.

Veja todas as seleções da rodada em nossa fanpage.

SELEÇÃO DO BLOG

Assim como na seleção por aparições, o Everson foi o goleiro. Como já dissemos, foi destaque do Ceará de Lisca, seja defendendo, ou fazendo gol de falta. Mensão a Weverton, que recebeu um voto.

Nas laterais, Mayke e Renê. O lateral do Palmeiras foi unânime e o flamenguista venceu o Renan Lodi, do Athletico Paranaense, que recebeu um voto.

Na dupla de zaga, uma grande unanimidade: Victor Cuesta e Geromel. Ambos unânimes. O gremista tomou o lugar de Arboleda principalmente pela reta final do campeonato, onde foi o maior destaque do Grêmio.

No meio, aliamos marcação e habilidade, com a dupla de volantes formada por Bruno Henrique e Rodrigo Dourado. O palmeirense foi destaque desarmando e finalizando, enquanto o colorado foi o cão de guarda da defesa, inclusive atuando algumas vezes improvisado na zaga. Vale lembrar que Cuellar também foi votado. Na meia, Paquetá, foi o escolhido, superando Arrascaeta e Zé Rafael (lembrado pelo terceiro ano seguido).

No ataque, Dudu, Everton e Gabigol. Dudu foi o comandante do título do Palmeiras e, provavelmente, o melhor jogador do campeonato. Everton fez seu melhor Brasileirão pelo Grêmio, sendo o maior destaque do time. Gabigol foi o artilheiro e superou os outros lembrados, Roger Guedes e Willian Bigode. Contra o atleticano pesou o fato de sair muito cedo, com apenas 12 rodadas.

O técnico foi o campeão Felipão, mas com menções honrosas a Lisca Doido e Tiago Nunes.

Previous post

O DECA DE CONSOLAÇÃO DO PALMEIRAS

Next post

RIVER, BOCA E A FINAL ROUBADA

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *