Home»Fórmula 1»GP DA HUNGRIA 92 | O LEÃO FINALMENTE CAMPEÃO

GP DA HUNGRIA 92 | O LEÃO FINALMENTE CAMPEÃO

0
Shares
Pinterest Google+

f1

Em uma época aonde o condicionamento físico pesava menos na vida dos pilotos da Fórmula 1 era possível o piloto ser campeão mesmo possuindo idade mais alta do que o padrão atual. A história de hoje relembrará o GP da Hungria de 1992 aonde, após anos “batendo na trave”, e já possuindo 39 anos de idade, o inglês Nigel Mansell, conhecido como “O Leão” finalmente conquistou o seu primeiro e único título na principal categoria do automobilismo.

Nigel Mansell, após prova em San Marino, em 1992. FOTO: rdpremiumesportes.com
Nigel Mansell, após prova em San Marino, em 1992. FOTO: rdpremiumesportes.com

Naquela tarde de 16 de agosto de 1992: A largada foi atribulada: Patrese largou bem e Mansell, para evitar bater no seu companheiro de equipa, travou mais forte e deixou ser ultrapassado pelos McLaren. Um pouco atrás, ambos os Ligier se envolviam num acidente, eliminando-se um ao outro e levando consigo o Lotus de Johnny Herbert e o Fondmetal de Gabriele Tarquini.

Nas voltas seguintes, Mansell atacou Berger para o terceiro posto, algo que conseguiu na oitava volta da corrida. Na frente, Patrese continuava a aguentar Senna, enquanto que na 13ª volta acontecia nova colisão, com o Larrousse de Bertrand Gachot a bater no Footwork de Aguri Suzuki, levando consigo o Tyrrell de Olivier Grouillard, o March de Karl Wendlinger e o Jordan de Stefano Modena.

Largada do GP da Hungria de 1992. FOTO: http://continental-circus.blogspot.com.br
Largada do GP da Hungria de 1992. FOTO: http://continental-circus.blogspot.com.br

Passado isto, as coisas acalmaram-se até à volta 31, quando Mansell comete um erro e perde o terceiro lugar para Berger. Contudo, ele volta à carga e duas voltas depois recupera a posição. mas a grande noticia acontece na volta 39, quando Patrese perde o controlo do seu carro e faz um pião. Regressa à pista na sétima posição, mas pouco depois, o seu motor explode e a liderança cai nas mãos de Senna, com Mansell no segundo lugar. Era mais do que suficiente para o britânico ser campeão do mundo.

Com isso em mente, abdicou de atacar Senna, e este começou a afastar-se do piloto da Williams. Apesar de depois ter de parar nos boxes e voltar a pista na sexta posição, subiu rapidamente ao segundo lugar depois de passar o Lotus de Mika Hakkinen e de ver o Benetton de Michael Schumacher a despistar-se em estilo quando a sua asa traseira se quebrou em plena reta da meta. Depois passou Berger e ficou com o segundo posto, sem ir atrás de Senna.

No final, apesar de uma briga pelo terceiro lugar entre Berger e Hakkinen – que acabou com o finlandês a ir para a gravilha e obrigar Brundle a fazer o mesmo – o brasileiro vencia pela segunda vez este ano, com Mansell a ser segundo e a confirmar o seu título mundial, a cinco corridas do final do campeonato. Berger foi o terceiro, com Hakkinen, Brundle e Capelli nos restantes lugares pontuáveis. (Texto retirado do Blog Continental Circus)

Munsell no pódio doFP da Hungria, ao lado de Senna. FOTO: globoesporte.com
Munsell no pódio doFP da Hungria, ao lado de Senna. FOTO: globoesporte.com

O vídeo a seguir mostra o compacto daquela corrida incluindo parte do pódio que marcou a conquista do título de Mansell.

https://youtu.be/7eUzdkxkX3g

 

Atualmente parece cada vez mais difícil que algum piloto repita o feito de Mansell e ser campeão com idade igual ou superior à dele. A exigência física dos pilotos de Fórmula 1 hoje é muito maior que a anos atrás. Basta lembrar que Schumacher não conseguiu repetir nem de longe seu sucesso conquistado anteriormente na Fórmula 1 quando voltou a pilotar pela Mercedes em 2010 após 3 temporadas da sua primeira aposentadoria ao final de 2006.

O circuito da corrida

O travado circuito de Hungaroring localizado em Mogyorod, na Hungria, se configurou como uma prévia dos circuitos que começaram a invadir a Fórmula 1 a partir do final dos anos 90.

Vista aérea do Circuito de Hungaroring onde se realiza o GP da Hungria desde 1986. FOTO: www.funzine.hu
Vista aérea do Circuito de Hungaroring onde se realiza o GP da Hungria desde 1986. FOTO: www.funzine.hu

Com retas curtas e incríveis 16 curvas em pouco mais de 4381 metros (após algumas modificações, pois o mesmo media inicialmente 3975 metros) só não é pior de se executar uma ultrapassagem que o circuito de rua de Mônaco entre os circuitos atuais da Fórmula 1. Além disto, possui uma pista estreita (com média de 10 metros de largura), o que torna a tarefa de quem deseja executar uma ultrapassagem mais complicada ainda. Em situações normais, os pilotos deverão fazer este traçado por 70 vezes para que se, conheça o vencedor da etapa húngara da Fórmula 1.O traçado do circuito, pode ser visto na figura a seguir.

Circuito de Hungaroring onde se realiza o GP da Hungria desde 1986. FOTO: pt.wikipedia.org.
Circuito de Hungaroring onde se realiza o GP da Hungria desde 1986. FOTO: pt.wikipedia.org.

A corrida da Hungria é caracterizada pelas altas temperaturas e tempo seco. Uma das poucas vezes em que a chuva deu as caras na Hungria, foi em 2011, corrida que foi vencida pelo inglês Jenson Button.

Dados históricos

Nas 31 edições realizadas até agora do GP da Hungria desde 1986, 17 pilotos diferentes venceram lá. O brasileiro Nelson Piquet foi o primeiro vencedor, em 1986.

Os maiores vencedores do GP da Hungria são o alemão Michael Schumacher e o inglês Lewis Hamilton com 4 vitórias cada, seguidos pelo brasileiro Ayrton Senna, com 3 vitórias. Por equipes, quem mais venceu até agora foi a McLaren com 11 vitórias, seguida pela Willians com 7 vitórias.

A pole mais rápida foi feita por Sebastian Vettel pela Red Bull em 2010 com o tempo de 1min 18s 773 (com os carros com motores V8) e a volta mais rápida foi feita por Michael Schumacher em 2004, pela Ferrari com o tempo de 1min 19s 071 (com os carros com motores V10).

Expectativa para a corrida

Após o começo arrasador de Nico Rosberg com 4 vitórias nas 4 primeiras corridas da temporada, Lewis Hamilton começou a reagir a partir da vitória do GP de Mônaco e, após 4 vitórias nas últimas 5 corridas, já está a somente 1 ponto do alemão ainda líder da atual temporada.

E esta temporada já está marcada por dois incidentes envolvendo os pilotos da Mercedes ainda na primeira metade do campeonato. A tendência que o título de 2016, seja decidido, como foi em 2014, somente na última, ou uma das últimas corridas do ano.

Hamilton parece ter “virado” o jogo psicológico contra Rosberg e o inglês está em um momento melhor que o alemão, apesar de Rosberg ter feito a pole hoje. O fato é que mais uma vez a disputa entre o título do Mundial de Pilotos ficará somente entre os pilotos da Mercedes.

A Red Bull está cada vez melhor nesta temporada e parece que deverá ser mesmo a segunda força do grid. Ferrari e, principalmente, a Williams, ficaram para trás.

Os brasileiros seguem em seu calvário em 2016. Felipe Massa perde cada vez mais terreno para Valtteri Bottas na Williams (vai largar somente em 18º após bater no Q1 durante a classificação) e Felipe Nasr vai pagando caro por causa do péssimo carro fornecido pela Sauber em 2016. Se a chuva que apareceu no treino classificatório se fizer presente na corrida, talvez ela dê uma melhor sorte para os brasileiros na corrida.

Hamilton venceu a terceira seguida em casa e está somente a 1 ponto de Rosberg no Mundial de Pilotos. FOTO: formula1.com
Hamilton venceu a terceira seguida em casa e está somente a 1 ponto de Rosberg no Mundial de Pilotos. FOTO: formula1.com

Resultado do treino classificatório

 treinohungria16

Horário:

Corrida – 24/07/2016 (domingo), 09:00h (horário de Brasília)

A corrida será transmitida pela Rede Globo. Boa corrida para todos.

Previous post

DINAMARCA, A CONVIDADA MAIS FOLGADA DA EURO

Next post

HAMILTON VENCE A QUINTA NA HUNGRIA E VIRA LÍDER NA F1

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *