Home»Start Sports»MONZA: A PRIMEIRA VEZ DE UM CAMPEÃO

MONZA: A PRIMEIRA VEZ DE UM CAMPEÃO

0
Shares
Pinterest Google+

f1

Acelerar em esportes a motor é essencial. Na Fórmula 1 nem se fala. Mas não há atualmente um lugar em que o pedal da direita é tão utilizado quanto no lendário Autodromo Nazionale di Monza, ou simplesmente, Circuito de Monza.

Para se ter uma ideia disto, 70% de uma volta rápida no circuito italiano é feita com aceleração máxima. Só no antigo traçado de Hockenheimring, utilizado até 2001, é que o percentual de tempo em que um carro de Fórmula 1 ficava em aceleração plena durante uma volta era maior. A seguir pode ser visto um belo trabalho feito por um guitarrista que reproduz em uma guitarra a volta mais rápida feita no circuito, por Rubens Barrichello em 2004. Isso mesmo…


Mas o título deste artigo refere-se a corrida de 2008, onde um futuro campeão fez história. Naquele ano, o treino de classificação foi com chuva, coisa não muito comum por lá e, mais surpreendente ainda, foi o pole position daquela corrida: um jovem alemão com pouco mais de 21 anos, que havia estreado na Fórmula 1 no meio da temporada do ano anterior. Ele conquistou o primeiro lugar no grid com uma Toro Rosso, que é até hoje a segunda equipe da Red Bull na Fórmula 1. Seu nome: Sebastian Vettel.

Vettel em sua primeira vitória na F1. FOTO: FIA
Vettel em sua primeira vitória na F1. FOTO: FIA

O mais surpreendente aconteceu no dia seguinte: com uma pilotagem espetacular e se saindo bem mesmo com o molha e seca da pista durante a corrida, o jovem Vettel estabeleceu um novo recorde na Fórmula 1: ao vencer a corrida daquele ano o alemão passou a ser o mais jovem vencedor da principal categoria do automobilismo mundial, com 21 anos, três meses e oito dias. Feito que até hoje pertence a ele. No vídeo a seguir podemos ver alguns dos momentos desta proeza alcançada por Vettel.


Se em 2008 Vettel ainda era uma revelação, hoje em 2014 ele é o atual tetracampeão mundial da Fórmula 1. Porém, este ano está sendo ingrato com o piloto alemão. As mudanças impostas pela FIA para o campeonato afetaram muito o desempenho da RBR, que deixou de ser o melhor carro do grid. Soma-se a isto a excelente temporada de seu novo companheiro de equipe, Daniel Ricciardo, que já venceu três corridas este ano (inclusive as duas últimas). Enquanto isso, Vettel não passou nem perto disto até agora.

Falando em Ricciardo, o australiano já pode ser considerado como postulante ao título da temporada de 2014. Apesar de ainda estar um pouco atrás em relação aos pilotos da Mercedes, Ricciardo vem demonstrando que quando a Mercedes “come mosca”, ele leva. E todo mundo do meio automobilístico se lembra bem da temporada de 2007, em que Alonso e Hamilton, na época na McLaren, disputaram “encardidamente” o título do campeonato de pilotos, que terminou com Kimi Raikkonen da Ferrari.

Falando na disputa entre Rosberg e Hamilton, o tempo “fechou de vez” na Mercedes. O acidente envolvendo os dois pilotos logo no início da corrida anterior, na Bélgica, tornou evidente que não há mais clima cordial entre eles. Na pista, pior para Hamilton, que não pontuou enquanto Rosberg foi segundo e aumentou ainda mais a distância para o companheiro de equipe. Porém, Rosberg ouviu críticas até dos dirigentes da Mercedes sobre o acidente em questão. Abram o olho Rosberg e Hamilton! Ricciardo está na área.

O circuito da corrida

O Grande Prêmio da Itália é um dos mais tradicionais da Fórmula 1. Está no calendário da categoria desde seu início, em 1950, e, assim como o GP da Grã Bretanha, sempre esteve presente em todas as temporadas da Fórmula 1 até hoje. Com exceção de 1980, quando foi realizada em Ímola, a corrida italiana sempre foi realizada no extremamente rápido circuito de Monza. O lendário circuito localizado na cidade de mesmo nome é composto por longas retas intercaladas por variantes – ora rápidas, ora lentas – e a conhecida curva Parabólica, feita em alta velocidade antes da reta dos boxes.

Curva parabólica, uma das mais conhecidas da história da Fórmula 1. FOTO: michaelschumacher.es
Curva parabólica, uma das mais conhecidas da história da Fórmula 1. FOTO: michaelschumacher.es

Entre algumas mudanças ao longo da história, o atual traçado do Circuito de Monza possui 5793 metros. Apesar de extenso, a corrida da Itália é, em circunstâncias normais, a mais rápida da Fórmula 1 atual. Um GP da Itália normal não chega a durar mais que 1 hora e 15 minutos. Vettel, em 2008, gastou 1 hora e 26 minutos, mesmo boa parte da corrida ter sido realizada com chuva. Traduzindo: melhor não bobear, senão você irá perder boa parte da corrida. O atual traçado e suas possíveis variações podem ser vistos na figura a seguir.

Circuito de Monza onde se realiza o GP da Itália. FOTO: pt.wikipedia.org
Circuito de Monza onde se realiza o GP da Itália. FOTO: pt.wikipedia.org

A corrida da Itália geralmente ocorre com tempo seco. Mas a chuva nunca é totalmente descartada. E quando aparece surpresas sempre podem ocorrem. É só relembrar a proeza de Vettel em 2008.

Dados históricos

Nas 64 edições realizadas até agora do GP da Itália, desde 1950, 35 pilotos diferentes venceram lá. O italiano Giuseppe Farina foi o primeiro vencedor, pilotando uma Ferrari. O maior vencedor do GP da Itália é o alemão Michael Schumacher, com 5 vitórias alcançadas, seguido pelo brasileiro Nelson Piquet, com 4 vitórias (Piquet foi quem venceu a única etapa do GP da Itália não realizada em Monza). Por equipes, quem mais venceu até agora foi a Ferrari, com 18 vitórias, seguida pela McLaren, com dez.

Primeiro GP da Itália de F1. FOTO: ultrapassagem.org
Primeiro GP da Itália de F1. FOTO: ultrapassagem.org

A pole mais rápida foi feita por Rubens Barrichello, pela Ferrari, em 2004, com o tempo de 1min 20s 089 (com os carros com motores V10). A volta mais rápida também é dele, que naquele mesmo ano marcou o tempo de 1min 21s 046.

Expectativa para a corrida

Após a segunda vitória seguida de Ricciardo, começa a surgir uma pergunta entre os que acompanham a categoria: será que o australiano tem condições de entrar de vez na briga pelo título do campeonato de pilotos, contra os dois carros da Mercedes? Uma coisa é indiscutível: as Mercedes ainda são os melhores carros do grid. Mas a equipe alemã pecou nas últimas duas corridas e viu Ricciardo vencê-las de maneira incontestável.

Pesa ainda mais contra a equipe alemã o fato de seus dois pilotos terem abandonado de vez o clima de “paz e amor” e partirem para uma disputa acirrada entre eles pelo título do campeonato de pilotos. Esse filme eu já vi: em 2007 o na época estreante Hamilton e o já bicampeão mundial Fernando Alonso protagonizaram uma intensa disputa dentro da equipe McLaren, para ver quem seria o campeão do mundial de pilotos. No final das contas, a “taça” caiu no colo de Kimi Raikkonen da Ferrari. Será que este filme poderá se repetir em 2014?

Quanto a Felipe Massa, será mais uma chance para ele tentar fazer algo melhor que Bottas em 2014. Acompanhado até agora de um azar “bravo” somado às boas atuações de seu companheiro de equipe, Massa pode começar a perder terreno dentro da Willians, se continuar a sem nada de expressivo na atual temporada. Força Massa!

Ricciardo mostra que não está brincando em serviço e pode se meter na disputa pelo título de pilotos entre seus concorrentes da Mercedes. FOTO: Getty Images
Ricciardo mostra que não está brincando em serviço e pode se meter na disputa pelo título de pilotos entre seus concorrentes da Mercedes. FOTO: Getty Images

Horários:

Classificação – 06/09/2014 (sábado), 09:30h (horário de Brasília).

Corrida – 07/09/2014 (domingo), 08:40h (horário de Brasília).

Boa corrida para todos.

Previous post

MOTI NÃO FOI O PRIMEIRO A SAIR DA LINHA PARA MITAR NO GOL

Next post

A COPA DAS COPAS, TAMBÉM NO BASQUETE?

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *