Home»Futebol Nacional»BAIXINHO 5.0 – 50 MOMENTOS ÚNICOS DE ROMÁRIO

BAIXINHO 5.0 – 50 MOMENTOS ÚNICOS DE ROMÁRIO

0
Shares
Pinterest Google+

O rei da grande área agora é cinquentão e para homenageá-lo, listamos 50 momentos em que Romário foi o cara. E fiquem tranquilos que tentamos equilibrar os momentos dentro de campo com as entrevistas…

1. Romário aos 20 anos, ao lado de Dinamite mitando no carioca de 1985.

2. Em março de 1988 o homem foi visionário ao dizer “Podem me cobrar. Vou fazer mil gols”, em entrevista à revista Placar.

3. Não perdoou o Flamengo no carioca de 88. Pior para o goleiro Zé Carlos.

4. Pela seleção, vai aos Jogos Olímpicos de Seul em 1988. Volta com a prata e a artilharia, com seis gols.

5. No PSV disputa o Mundial Interclubes, comanda o time, marca gol, mas perde.

6. Era o nome do PSV e não escondia isso de ninguém: “O PSV depende de mim. Todos sabem que a equipe não tem condições de jogar sem Romário”
7. Romário comanda a artilharia da Champions League 92/93. Não valeu título mas impressionou Johan Cruijff.

8. O Baixinho teve uma temporada bombástica no Barcelona, com direito a triturar o Real Madrid.

9. Romário chegou de última hora nas eliminatórias para salvar a pátria (unicamente pela lesão de Muller). E salvou.

10. Carimbou seu passaporte para a Copa do Mundo de 94 e ainda assumiu a responsabilidade: “Se acontecer um resultado negativo, o culpado sou eu”, disse Romário antes da Copa de 1994.

11. Fazia bons acordos, como a folclórica troca de dois gols por dois dias de folga para pular carnaval no Rio de Janeiro. Em vinte minutos ele cumpriu sua promessa e cobrou de Cruijff: “Treinador, meu avião sai em menos de uma hora”.
12. Na Copa de 94 destruiu em todos os aspectos. Ganhou a Copa praticamente sozinho. Sem exageros.

13. Chutou todos os concorrentes e conquistou o título de melhor do mundo em 94.
14. Em 95 voltou ao Rio, para jogar no Flamengo. Foi literalmente de parar o trânsito.
15. E para quem pensou em remorso por ir jogar no rival do ex-clube: “O que eu posso falar para a torcida do Vasco é que, quando tiver Vasco x Flamengo, levem lenços para o Maracanã porque vão chorar muito”.

16. Ganhou a Taça Guanabara de 1995 e mandou um recado para Túlio Maravilha: “Aqui tem muito rei. Rei tem dois, três, quatro, cinco. Mas Deus, agora eles sabem quem é”.

17. Junto com Ronaldo comandou a legião de carecas que conquistou a Copa das Confederações de 97.
18. Foi cortado da Copa do Mundo de 98, pela comissão técnica não acreditar que se recuperaria de lesão a tempo. Resolveu homenagear Zagallo e Zico no banheiro de sua casa noturna.
19. Em 98 também falou de peso: “Estou com 72 quilos, sim, e daí? O elefante é gordo, mas quando tem incêndio na floresta, ninguém ganha dele na corrida”.
20. Fica indo e vindo do Flamengo para o Valência e não se acerta na cidade espanhola.
21. Mas faz isso com o coitado do Amaral.

22. De volta ao Vasco em 2000 e, ao lado de Edmundo, pisa no time do Manchester United, antes de amargar o vice do Mundial de Clubes.

23. Quando viu Edmundo chama-lo de “príncipe”, disparou: “Agora, a corte está toda feliz: o Rei, o Príncipe, e o Bobo”.

24. “Enquanto o futebol brasileiro der ouvidos para Zico, a seleção não ganhará nada. Perdeu três Mundiais como jogador e um como coordenador técnico. Perdemos o Mundial da França por causa de Zico que, como disse uma vez, é um perdedor nato”, desabafou depois de descobrir que não disputaria os Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000.
25. Demonstrou toda a sua preocupação com a saída de Luxemburgo do comando da seleção em 2000: “Ninguém tem razão para ficar triste. Todo mundo ganha bem e tem mulher bonita”.
26. Na virada épica contra o Palmeiras que deu o título da Mercosul ao Vasco, teve hat-trick do Baixinho.

27. Conquistou seu primeiro Brasileirão na polêmica Copa João Havelange de 2000, sobre o São Caetano, aos 34 anos.
28. “Esse é o horário que costumo chegar em casa para dormir”, foi o que disse sobre acordar às 8h30 para treinar pela seleção, em 2001.
29. Pediu dispensa da Copa América de 2001 e se desentendeu com Felipão, o que custou sua vaga na Copa de 2002.
30. No Fluminense contou um pouco de sua origem após marcar um gol contra o Corinthians: “Quando eu nasci, papai do céu apontou o dedo e disse: esse é o cara”.
31. Em 2003 perguntaram se ele viraria técnico. A resposta foi bem simples: “Como vou aturar um mala igual a mim?”.
32. Tentou ir para o UFC, mas não deu muito certo.

33. Em 2004 ensinou etiqueta de transporte público ao novo técnico do Fluminense, Alexandre Gama: “Entrou no ônibus agora. Não está nem em pé e já quer sentar na janela”.

34. Lembrou que havia bons goleiros na família, após perder um pênalti contra a Ponte Preta, em 2005: “É claro que o goleiro tem seus méritos, mas esse pênalti até minha mãe pegaria”.
35. Em 2005, demonstrou toda a sua admiração por Pelé: “O Pelé calado é um poeta. Como jogador foi o nosso Rei, nosso Deus, mas tinha que colocar um sapato na boca”.

36. O Vasco não ganha nada, mas Romário é artilheiro do Brasileirão aos 39 anos. Um recorde. Sobre isso ponderou: “Não sou cavalo paraguaio. Mais uma vez, mostrei quem é o puro-sangue”.
37. Em 2007, atacante Afonso Alves disse que “não era preguiçoso como Romário” depois de ser convocado à seleção brasileira. Ao ser perguntado sobre o assunto, o Baixinho disse: “Quem? Nunca ouvi falar, irmão. Só falo de quem eu conheço”.

38. Disse: “Tomara que Deus me ilumine para eu não falar tanta merda como já falei outras vezes”, preparando o discurso do milésimo gol.
39. Marcou o polêmico milésimo gol contra o Sport, no dia 20 de maio, em São Januário.

40. No mesmo ano acabou sendo jogador-treinador no Vasco.

41. Deu fim a sua carreira definitivamente em 2008: “Oficialmente não jogo mais. Parei. Minha fase passou. Tenho consciência de que tudo foi muito divertido”.
42. Voltou para jogar pelo América-RJ e realizar um sonho do pai Edevair.
43. Quando questionado sobre a pilha de processos judiciais contra ele, ponderou: “Queria deixar claro que não tenho nada a ver com a morte do Michael Jackson e nem fui eu quem trouxe a gripe suína para o Rio”.
44. Em 2009 se tornou deputado, logo ao entrar para a carreira política.
45. Virou senador e comentou a situação política do Brasil: “Achava que política era lugar de ladrão e sacanagem. E eu acertei”.
46. Em entrevista ao Esporte Interativo explicou quem eram os melhores: “Os melhores da história? Pelé, Romário e Maradona. Fiz mais gols, tive mais títulos”.

47. Falou à Placar sobre como funcionava sua lógica com seus parceiros de ataque: “Quem tem que fazer gol sou eu. Se eu tivesse 1% de chance e o fulano tivesse 99%, eu tentava sozinho (fazer o gol) porque sabia que tinha mais condição do que ele”.
48. Comprou briga contra a corrupção na FIFA e na CBF.

49. Uma vez respondeu às críticas sobre seu comportamento fora de campo: “Quem precisa ter boa imagem é aparelho de TV”.
50. Encerramos com o seu resumo sobre o que é ser um bom técnico: “Técnico bom é o que não atrapalha”.

Previous post

BRONCOS E PANTHERS: TEMOS UM SUPERBOWL!

Next post

PRIMEIRA LIGA - O CAMINHO NATURAL

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *