Home»Start Sports»A BATALHA DA LIBERTADORES – PARTE 1

A BATALHA DA LIBERTADORES – PARTE 1

0
Shares
Pinterest Google+

Libertadores

E agora começa a guerra! Depois de uma prévia, com a fase pré-Libertadores, a competição começa para valer na sua fase de grupos. Essa é de longe a competição com maior expectativa dos últimos anos, com 12 campeões e a volta dos gigantes argentinos, Boca e River. Para a ocasião, preparamos um pequeno guia da competição. Neste primeiro post, dessecaremos a pré-Libertadores e os grupos 1, 2, 3 e 4.

Pré-Libertadores

A fase eliminatória, que definiu os classificados que faltavam para a fase de grupos, deixou dois campeões de fora. Once Caldas e Nacional de Montevidéu não sobreviveram aos duelos com Corinthians e Palestino do Chile. Outra surpresa foi a queda do Cerro Porteño frente ao Deportivo Táchira. O Huracán voltou à libertadores, depois de 41 anos, e atropelou o Alianza Lima. Confira os resultados.

prelibertadores

Grupo 1 | Dois campeões e um grupo complicado

Desde que assumiu, Thomas Boy deu consistência ao time mexicano. FOTO: Liga MX
Desde que assumiu, Thomas Boy deu consistência ao time mexicano. FOTO: Liga MX

Atlas – Segundo melhor da fase classificatória do Torneio Apertura do México, o Atlas entra em sua terceira Libertadores e sua melhor participação foi em 2008, quando chegou às quartas de final. Os Foxes, desde que Thomás Boy assumiu o comando do time, sempre se destaca na primeira fase MX League e cai logo de cara nos playoffs. O time que já contou com o brasileiro Maikon Leite como destaque, hoje aposta suas fichas no colombiano Aldo Leão Ramirez.

O argentino já caiu nas graças da torcida. FOTO: Atlético-MG
O argentino já caiu nas graças da torcida. FOTO: Atlético-MG

Atlético-MG – O Galão da Massa chega a sua sétima Libertadores, a terceira consecutiva, tentando repetir a campanha histórica do título de 2013. Classificado como campeão da Copa do Brasil (outro título histórico), o Atlético perdeu seu ídolo Tardelli e o “Capitão América” Réver, mas trouxe o goleador argentino Lucas Pratto e o meia colombiano Cárdenas. Eles se juntam a Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Leandro Donizeti, Dátolo e Luan, para formar a base do time que tenta o bi, sobre a batuta de Levir Culpi.

O Cacique campeão depois de quatro anos no Chile. FOTO: AP
O Cacique campeão depois de quatro anos no Chile. FOTO: AP

Colo-Colo – Único chileno campeão (1991), o Colo-Colo disputa sua Libertadores. Classificou-se com o título do Torneio Clausura e traz toda a sua tradição para a disputa. Seu destaque é o volante Jaime Valdés, “Parajito”, que voltou da Europa depois de 11 anos. Além do líder de 35 anos, o time conta co om goleiro Justo Villar, o defensor Julio Barroso e os atacantes Humberto Suazo e Esteban Paredes. No banco de reservas, o jovem técnico Hector Tapia é ex-jogador e ídolo do time, responsável por trazer o “Cacique Branco” de volta aos títulos.

Omar Pérez comanda a equipe em mais uma Libertadores. FOTO: Maurício Dueñas Castañeda / EFE
Omar Pérez comanda a equipe em mais uma Libertadores. FOTO: Maurício Dueñas Castañeda / EFE

Independiente Santa Fé – O albirojo disputa sua nona Libertadores, tendo como melhor resultado uma semifinal em 2013. O craque do time, o meia argentino Ómar Perez, segue comandando a equipe, apesar da pinta de ex-jogador em atividade. Novamente no grupo do Atlético, a meta traçada pelo técnico argentino Gustavo Costas é passar de fase, o que não conseguiram ano passado.

Grupo 2 | Cinco títulos e um grupo da morte

Depois dos fracassos no Mundial e na Recopa, os atuais campeões estão sob dúvida. FOTO: Khaled Elfiqi
Depois dos fracassos no Mundial e na Recopa, os atuais campeões estão sob dúvida. FOTO: Khaled Elfiqi

San Lorenzo – Os atuais campeões chegam sob desconfiança para sua 13ª participação. A equipe comandada por Edgardo Bauza teve uma notória queda de rendimento no Campeonato Argentino e durante a disputa do Mundial de Clubes, além de perder destaques do título do ano passado, como o jovem Angel Correa. O destaque do time é o “Pichi” Juan Mecier, que aos 35 anos organiza o meio de campo do time.

O goleiro de 42 anos tenta levantar novamente a taça da Libertadores. FOTO: AP
O goleiro de 42 anos tenta levantar novamente a taça da Libertadores. FOTO: AP

São Paulo – Vice-campeão brasileiro, o São Paulo garantiu sua vaga para disputar a 17ª  Libertadores, recorde entre os brasileiros. O time se reforçou muito, trazendo Carlinhos, Dória, Bruno e o argentino Ceturión. O destaque do time é o meia Paulo Henrique Ganso, mas ninguém chama mais atenção que o interminável Rogério Ceni, que jogará aos 42 anos. Sob comando do técnico mais vitorioso dos últimos anos no clube, Muricy Ramalho, o tricolor tenta o tetra, para se tornar o brasileiro com mais títulos na competição.

Como a zebra do grupo da morte, o Danúbio pode surpreender. FOTO: Getty Images
Como a zebra do grupo da morte, o Danúbio pode surpreender. FOTO: Getty Images

Danúbio – Campeão uruguaio na temporada 2013/14, o Danúbio está em sua sétima Libertadores.  Sua melhor participação até hoje foi na edição de 1989, quando começou goleando o Peñarol e chegou às semifinais, sendo eliminado pelo campeão Atlético Nacional. Seu destaque é cria da casa, o volante Ignácio Gonzalez de 21 anos. O estrategista da equipe é o técnico Leonardo Ramos, que além do título uruguaio, conquistou o Apertura de 2013. Para a Libertadores, não se espera nada do time, além de uma possível zebra.

Com goleada em casa, o Timão encaminhou sua classificação. FOTO: Agência Estado
Com goleada em casa, o Timão encaminhou sua classificação. FOTO: Agência Estado

Corinthians – Quarto colocado no Brasileirão, o Corinthians conquistou sua 12ª vaga na competição sul-americana através da pré-Libertadores, quando eliminou o Once Caldas. O Timão trouxe de volta o técnico Tite, comandante de sua melhor participação na competição, o título de 2012, ano em que também levantou a taça do mundial. O time ainda tem jogadores daquela campanha, como Cássio, Fábio Santos e Paolo Guerrero, maior destaque da equipe. Para reforçar o Timão, além de seu novo estádio, veio o atacante Vágner Love.

Grupo 3 | Um grupo fácil para um novo Cruzeiro

Meia uruguaio é a grande esperança do time para a Libertadores. FOTO: Douglas Magno / Estadão
Meia uruguaio é a grande esperança do time para a Libertadores. FOTO: Douglas Magno / Estadão

Cruzeiro – O atual bicampeão brasileiro desmontou o time e começa a reformular o elenco para tentar o tri da maior competição sul-americana. Em sua 15ª participação, o time mineiro terá um boa chance de repetir os títulos de76 e 97, principalmente pelo grupo fácil da primeira fase. Os destaques são o goleiro Fábio é o meia uruguaio De Arrascaeta, que veio numa leva que conta com Riascos, Mena, Paulo André, Willians, Joel, Damião e outros, que ainda pode receber mais reforços. O comandante do bicampeonato nacional, Marcelo Oliveira, terá uma missão difícil para fazer com que o time encaixe rápido, a tempo de lutar pelo título.

Ramon Ábila foi o destaque da goleada que levou o time à fase de grupos. FOTO: Getty Images
Ramon Ábila foi o destaque da goleada que levou o time à fase de grupos. FOTO: Getty Images

Huracán – Após 41 anos, o Huracán volta a jogar a Copa Libertadores, para sua segunda participação na competição. O time se classificou ainda disputando a segundona argentina, pois conquistou a Copa Argentina. O time estava em crise e jogadores e torcida brigavam, quando o técnico Néstor Apuzzo assumiu e guiou o time para o acesso depois de estar em último na “promoción”. Embora tenha vendido sua principal figura, o Pity Martinez, ao Rver Plate, o time segue em alta, ainda mais depois de varrer o Alianza Lima na pré-Libertadores. Ramón Abila, no ataque, e Patricio Toranzo, como armador, são as suas principais figuras e Alejandro Romero Gamarra, o substituto de Martinez, é a grande promessa.

O time boliviano tenta surpreender o Cruzeiro. FOTO: Passión Libertadores
O time boliviano tenta surpreender o Cruzeiro. FOTO: Passión Libertadores

Universitário de Sucre – Assim como o Huracán, o Clube de Desporto Universitário de Sucre disputa sua segunda Libertadores. Em 2009, foi eliminado na fase de grupos. Sem grandes estrelas em seu elenco, o time foi campeão boliviano sob comando de Javier Veja, que acabou sendo demitido em dezembro devido a uma campanha ruim no segundo semestre. Com o atual técnico Júlio Cesar Baldivieso (um dos maiores jogadores da história da Bolívia), a equipe de Sucre vai usar seu Estádio Olímpico Pátria, a quase 3 mil metros acima do mar, como arma. Dentro de campo, o craque e capitão do time é o meia-atacante de 29 anos, Maurício Saucedo.

O time de Guayana tenta surpreender todos e se classificar. FOTO: Getty Images
O time de Guayana tenta surpreender todos e se classificar. FOTO: Getty Images

Mineros – O Mineros de Guayana é um dos grandes da Venezuela, mas é apenas a segunda vez que o time irá representar o país na fase de grupos da Libertadores. Em 1997, caiu num grupo com Colo Colo, Universidad Católica e Minervén, seu rival, que está agora na segunda divisão venezuelana. A equipe de Puerto Ordaz tem como destaque o centroavante Richard Blanco, o “Avioncito”, marcando 25 gols com a camisa do clube nas duas últimas temporadas. No banco, o time conta com o recém chegado Marcos Mathias, que vai ter que repetir os bons resultados obtidos pelo seu antecessor, Richard Paez.

Grupo 4 | Inter e Universidad de Chile como favoritos

O meia argentino é o principal nome do Colorado. FOTO: AFP
O meia argentino é o principal nome do Colorado. FOTO: AFP

Internacional – O Inter chega a sua 11ª participação em busca do tri. Longe dos times campeões em 2006 e 2010, a equipe atual está em processo de remodelação. Com um novo técnico, o ex-jogador do time, o uruguaio Diego Aguirre cria um esquema em torno do destaque do time, o maestro argentino D’Alessandro, com nove títulos pelo clube. O colorado conta ainda com os reforços de Réver, Nilton, Vitinho, Léo, Ernando e Anderson, que vão se juntar a boa base deixada pelo ex-técnico Abel Braga.

Sem o técnico que montou o time, o Emelec tornou-se uma incógnita. FOTO: Getty Images
Sem o técnico que montou o time, o Emelec tornou-se uma incógnita. FOTO: Getty Images

Emelec – Os Elétricos são presença constante na Libertadores. Em sua 24ª participação só conseguiram ir às semifinais em 95. O time veio empolgado pela temporada 2014, onde foi campeão nacional, mas de cara já terá que se adaptar a mudança de treinador. O consagrado Gustavo Quinteros, após duas temporadas impecáveis no comando do clube, foi escolhido para assumir a comando da seleção equatoriana. Só em março saberemos quem comandará o time. A despeito dessa incógnita, o Emelec se apoia em seu capitão Quiñones para tentar avançar às oitavas.

The Strongest em seu estádio joga com a força da altitude. FOTO: Aizar Raldes / AFP
The Strongest em seu estádio joga com a força da altitude. FOTO: Aizar Raldes / AFP

The Strongest – Mais um time comum na Libertas, o The Strongest representa a Bolívia pela 21 vezes. Apesar do nome, o Strongest está longe de ser o mais forte e é até uma surpresa para esta edição. Eliminou o Monarcas Morélia do México, se aproveitando da má fase do time adversário e da grande partida do meia Pablo Escobar. O técnico argentino Nestor Craviotto conta, além de Escobar, com o principal nome do time, Cristaldo, e a altitude de La Paz, claro. Não deve ir longe.

O conjunto é o principal ponto do time chileno. FOTO: Franco Moreno/LatinContent/Getty Images
O conjunto é o principal ponto do time chileno. FOTO: Franco Moreno/LatinContent/Getty Images

Universidad de Chile – La U está mais uma vez como favorita do grupo, mas como de costume, não se sabe o que esperar dela. Com quatro semifinais (70, 96, 2010 e 2012) em 19 participações, os chilenos devem disputar a vaga contra o Emelec. O time do uruguaio Martin Lasarte, atual campeão chileno, manteve seu elenco e espera que a experiência de jogadores como o goleiro Johnny Herrera possa fazer a diferença.

Previous post

O FIM DA MALDIÇÃO E O TÍTULO DA COSTA DO MARFIM

Next post

SORRIA A CHAMPIONS VOLTOU

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *